top of page

Scorn: um game sombrio com todo o DNA de Alien


De todos os títulos apresentados para o Xbox Series X até agora, o mais misterioso e estranho é Scorn. Não foi a primeira vez que o jogo foi mostrado, no entanto. Trata-se de uma produção da desenvolvedora sérvia Ebb Software, composta por "um grupo de pessoas altamente motivado pelo único propósito de criar um novo tipo de videogame", nas palavras do release para a imprensa.


O jogo vem de uma campanha bem-sucedida de Kickstarter em 2017 e só agora parece ter angariado uma atenção mais ampla, não apenas dos 5636 apoiadores ou daqueles ensandecidos por esse lado mais sombrio e bizarro dos videogames. Apesar de continuarmos um tanto no escuro quanto ao gameplay ou como o jogo vai, de fato, funcionar, todo o aspecto artístico tem um DNA bem conhecido: tudo nos leva ao artista plástico surrealista H.R. Giger (1940-2014).



Quem é H. R. Giger?

Você pode até não associar o nome à pessoa, mas trata-se de quem concebeu o visual da criatura xenomórfica vista pela primeira vez no filme Alien (1979), clássico de terror e ficção científica do cinema, dirigido por Ridley Scott. O filme consagrou Giger, mas não podemos esquecer que a obra do artista suíço se estende para diversas outras mídias. Danzig, Celtic Frost, Emerson, Lake & Palmer e Carcass são algumas figuras proeminentes do mundo da música e que, em algum momento, colidiriam com Giger. O resultado é, no mínimo, único.


Seu estilo incluiu o industrial, a fusão do orgânico e do inanimado, a profanidade de imagens sacras, dando vasão a uma gama de aberrações de apelo sexual e fetichista. A criatura xenomórfica vista em Alien representa uma verdadeira mixórdia de todos os seus elementos de criação. Efeitos especiais para cinema, esculturas e pinturas compunham seu mundo.


Hans Ruedi Giger faleceu em 12 de maio de 2014, vítima de uma queda. Seu estilo único, no entanto, será eterno, e Scorn o celebra de todas as formas possíveis. (E se um dia você se encontrar de passagem pela Suíça, não deixe de visitar o "museu do Alien").


O Xenomorfo, de Alien, uma das marcas da obra de Giger.


O que é Scorn?

O vídeo apresentado durante o Inside Xbox de maio serviu como uma espécie de tour desconfortável pelos cantos mais inóspitos de Scorn. O jogo trata dessa inserção num mundo alienígena. Caso você, de súbito, se encontrasse em tal realidade, como reagiria? O que faria?


Alguns vídeos de gameplay contemplam uma demo disponibilizada para financiadores do projeto. Corredores claustrofóbicos desembocam em câmaras enormes - algo muito semelhante as naves dos Engenheiros do universo de Alien. Coletar artefatos estranhos e aprender o seu uso e significado, parece ser inerente a parte da experiência, assim como o combate contra seres em estado larval. A arma é tão bizarra quanto todo o resto e, decerto, algumas dessas pequenas monstruosidades tomarão outras formas, outros tamanhos.


Grotesco voluptuoso.

A figura humanoide inserida na realidade de Scorn precisa fazer uso do ambiente a sua volta para haver qualquer senso de progressão, para se manter viva. A atmosfera densa funciona como agente indutor, e quando o corpo de unidade se torna um com o seu entorno, uma relação de necessidade passa a existir. Caminhos tortuosos podem seguir daí, afinal, a rispidez inicial se molda em reconforto quando não se tem qualquer noção de tempo e espaço. A repulsa se torna convidativa, explodindo em prazeres dos mais diversos.


Scorn convida a todo esse delírio sobre sua forma e conteúdo, assim como a arte do artista que mais o influenciou. Seu lançamento segue incerto, mas chegará em algum momento ao Xbox Series X e PC, via Steam.

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page