top of page

Yuzu, popular emulador de Nintendo Switch, é fechado após processo

Poucos dias após a Nintendo iniciar um processo contra a Tropic Haze, desenvolvedora do popular emulador Yuzu, as duas empresas entraram em um acordo. A resolução prevê o pagamento de US$ 2,4 milhões (R$ 11,87 milhões) à desenvolvedora japonesa, além do fim da existência do software em qualquer uma de suas formas atuais.

A decisão divulgada nesta segunda-feira (4) também proíbe que os membros da Tropic Haze criem futuramente qualquer solução que quebre as proteções da Nintendo e de suas plataformas. Todos os códigos do programa, bem como informações sobre seu funcionamento e os domínios de seu site oficial devem ser cedidos à Nintendo.


Caso os desenvolvedores do Yuzu violem qualquer ordem da Corte Distrital de Rhode Island, nos Estados Unidos, eles podem sofrer novas punições legais e financeiras. Até o momento, não foram tornados públicos os detalhes sobre os termos com os quais os criadores do software tiveram que concordar.


Atualmente, o site oficial do Yuzu ainda está no ar. No entanto, já não é mais possível baixar o emulador no Github oficial do projeto


Comunicado oficial

Em uma publicação nas redes sociais, a equipe responsável pelo Yuzu confirmou o acordo com a Nintendo. Os desenvolvedores disseram que entendem o lado da empresa e apontam que o uso do software para pirataria, principalmente antes do lançamento de jogos, nunca foi o objetivo do time.



Segundo o comunicado, o suporte para o Yuzu foi descontinuado de maneira imediata. "O Yuzu e sua equipe sempre foram contra a pirataria. Iniciamos os projetos de boa fé, por paixão pela Nintendo e seus consoles e jogos, e não tínhamos a intenção de causar danos", diz a nota.

"Em particular, ficamos profundamente desapontados quando os usuários usaram nosso software para vazar conteúdo do jogo antes de seu lançamento e arruinar a experiência de compradores e fãs legítimos", explica a equipe. "Chegamos à decisão de que não podemos continuar a permitir que isso ocorra."


A equipe também ressalta que todo o repositório de código do Yuzu será retirado do ar, bem como Patreon e o Discord da equipe. "Esperamos que as nossas ações sejam um pequeno passo para acabar com a pirataria das obras de todos os criadores", concluem os responsáveis pelo emulador.


Yuzu popularizou a emulação do Nintendo Switch

Embora o emulador tenha sido lançado em janeiro de 2018 e se mostrado bastante popular desde sua estreia, a Nintendo considerou como a “gota d’água” de seu funcionamento a estreia de The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom. Segundo a empresa, o software colaborou para que o game fosse pirateado 1 milhão de vezes antes de seu lançamento oficial.


Em seu processo, a companhia também afirmou que o vazamento do game veio acompanhado de um aumento de doações para os criadores do Yuzu. Com isso, seus criadores teriam lucrado diretamente com a distribuição ilegal do game. Além disso, a empresa afirma que tudo isso colaborou para o vazamento de spoilers que estragaram a experiência de muitos usuários.


No entanto, em ao menos um ponto a Nintendo se mostrou equivocada, ao afirmar que o site do software trazia links para chaves do Switch, o que não era verdade. Apesar disso, o caso apresentado pela empresa deve ter se mostrado forte o suficiente para que os criadores do programa sentissem que era melhor fazer um acordo do que arcar com multas maiores.


fonte: Voxel

1 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page